Voto na Rua Augusto Stresser

Deveria haver eleição para escolher a rua mais bacana da cidade. Vou fazer campanha – subir no palanque, falar na televisão, distribuir santinho em roda do Cavalo-Babão. Como a maré não anda para pedestres e outros bichos, só poderá votar quem na última semana andou pelo menos um quarteirão a pé ou de bicicleta. É a cota sola-de-sapato. Os outros que se contentem com um congestionamento na Visconde de Guarapuava – tem quem goste.

Aproveito para anunciar uma candidata. Não, não é a Schiller, tampouco a Flávio Dallegrave. Nem mesmo é uma rua inteira – mas um trecho dela: o quarteirão da Augusto Stresser, entre a Augusto Severo e a Barão de Guaraúna. Naqueles míseros cem metros se instalou um Ippuc sem pranchetas, governado por cabeludos de agasalho e magrela.

Aos fatos. Há um ano, foi instalada no trechinho da Stresser a primeira e única ciclofaixa da capital. Para quem não se afinou com o termo, ciclofaixa é uma estreita área de asfalto reservada a ciclistas. Fica a dois palmos do meio-fio, “mas é um salto gigantesco para a humanidade.” Ali, bikers não precisam desviar do poste, da banca de revistas, do ponto do ônibus, do au-au e seu dono. Ali não padecem o martírio de subir e descer da calçada, um atentado aos glúteos. Captou?

É bom saber. A faixa exclusiva para bicicletas da Stresser é clandestina. Surgiu em 22 de setembro passado, o Dia Mundial sem Carro, data que goza em Curitiba de menor popularidade que o Dia da Marmota. A obra custou uma ninharia: meia lata de tinta amarela e a demão voluntária da rapaziada do Coletivo Interlux – os tais cabeludos. Virou caso de polícia. Três agitadores da ciclofaixa foram em cana, acusados de “crime ambiental”. Os outros, que remédio, seguiram o carro da Guarda Municipal até a delegacia, pedalando contra o vento, mas sin perder la ternura jamás.

Não se via grita igual desde a Guerra do Pente e da derrubada do busto de Suplicy de Lacerda. “Foi um gesto de desobediência civil”, concorda o ativista Jorge Brand, 28 anos, morador daquele que se tornou o endereço mais zen da capital. É que Jorge – mais conhecido como Goura Narataj, seu nome Hare Krishna – além de pintar ciclofaixas dá aulas de ioga na Stresser, o que explica muita coisa.

Por recomendação do mestre, os alunos de Goura vêm de bicicleta. Não raro, aproveitam para dar uns pitacos na urbanização algo flower power implantada no quarteirão. Só ali, por exemplo, existem “jardins libertários” – grandes canteiros anárquicos instalados no passeio. “O troço aqui é meio selvagem”, resume o iogue, que já promoveu na redondeza o plantio de 25 árvores, incluindo uma bananeira.

Tem vizinho que chia. Outros dizem um polido “bom-dia” àquele se que se tornou o “síndico de rua” mais refinado da paróquia. Filósofo de formação, Jorge/Goura é estudioso de Schopenhauer. Não bastasse ser um Krishna na UFPR, é politizado feito um ativista de 68: não dá mole para a prefeitura. Com paciência de Gandhi, costuma chamar o poder público na chincha, pedindo espaço para as duas rodas. Seus companheiros de pacifismo não fogem à regra. São designers, artistas, músicos e quetais – todos ciclistas de carteirinha, condôminos da Stresser e chegados a uma performance.

Basta dizer que escolheram setembro como “mês cívico-cultural”. Uma das paradas da trupe se chama “Música para sair do carro.” Às quintas-feiras à noite, o Interlux bota uma banda para tocar logo ali, numa minipracinha da Barão de Guaraúna, de onde aproveita para convidar os motoristas “a sair da bolha”. Dia desses, um condutor não só pisou no freio como dançou com gosto em volta do seu veículo. A Stresser entrou na Era de Aquarius – pelo menos até a PM pintar. Sujou.

Confira: http://www.artebicicletamobilidade.wordpress.com

José Carlos Fernandes é jornalista (http://portal.rpc.com.br/gazetadopovo/colunistas/conteudo.phtml?tl=1&id=809617&tit=Voto-na-Rua-Augusto-Stresser)

Anúncios

5 comentários sobre “Voto na Rua Augusto Stresser

  1. divo disse:

    Mais legal que o texto é um ocorrido dos bastidores. Quem lembra dessa? que a mais ou menos um ano atrás o blogueiro Luis Cláudio – Sobretudo, da gazeta escreveu o seguinte :

    http://portal.rpc.com.br/gazetadopovo/blog/sobretudo/?id=703745

    hoje nem aparece mais as dezenas de mensagens repudiando a idéia do blogueiro. naquela ocasião mandei o seguinte:

    “Resposta ao blog desafiador: ciclistas são piores do motoqueiros?

    Quiçá… há que se ter o ponto de referência para avaliar.

    Em todos os segmentos da sociedade encontraremos indivíduos que não têm a melhor conduta. Assim como motoboys fazem o diabo no trânsito também diariamente eu vejo o biarticulado ultrapassar o sinal vermelho na esquina da Visconde de Guarapuava, e já presenciei em decorrência disso alguns acidentes fatais. Assim como existem motoristas estressados e inábeis ou autoconfiantes demais, que avançam sinais e só diminuem a velocidade em pontos onde tem radar. Inevitavelmente existem ciclistas que não são conscientes. Não é o caso dos cicloativistas que eu conheço. No desafio intermodal eu representei um tipo de ciclista que poderíamos chamar “careta”, obedeci os sinais vermelhos, não andei na contramão e nem na canaleta (se bem que eu ache a canaleta a melhor ciclovia de Curitiba). E mesmo empurrando a bike por um bom percurso na calçada, cheguei apenas um minuto atrás do motoqueiro. Se usasse a canaleta garantiria o segundo lugar, como ciclista padrão.

    Para tudo há remédio. Menos para os imprudentes incorrigíveis, sejam eles ciclistas, taxistas, motoristas de ligeirinho ou biarticulado, caminhoneiros, puxadores de carrinho elétrico da coca-cola, motoqueiros, carroceiros, pedestres e inclusive ciclistas. Sou favorável a uma campanha de massa que vise corrigir essas falhas na medida do possível. E também quero salientar que a criação de ciclofaixa é o principal passo para o ordenamento adequado da circulação de magrelas.

    Penso também que se utilizarmos estatísticas, chegaremos a conclusão de que o percentual maior de imprudentes estão entre os motoristas de carro. Principalmente porque estes não têm a mesma fragilidade a que os ciclistas estão submetidos, e não respeitam nem os próprios congêneres. O que se dirá de pedestres, cadeirantes, mulheres grávidas, cachorros ou ciclistas.

    Enfim: consciência, educação e respeito são coisas que podem ser desenvolvidas.

    Divo.”

    e hoje…

    Hoje pr aminha surpresa li no mesmo blogue um elogio ao José Carlos Fernandes, autor do belo texto sobre a ciclofaixa e o cicloativismo.

    não deixei por menos e deixei outro comentário no blog:

    Parabéns também ao autor do blog, que pelo visto amadureceu bastante no último ano. Faz quase um ano que saiu aqui neste blog uma crítica desmedita e infame sobre movimentos pró-ciclomobilidade. Lembra? Pois é, como o mundo dá voltas (como as rodas das bicicletas) e hoje pra surpresa vejo o homem da crítica tecendo elogios ao jornalista José Carlos Fernandes. Este que escreveu um bom texto com palavras de apoio a ciclomobilidade.Parabéns José Carlos Fernandes. Também parabens pela evolução Luis.”

    link:

    http://portal.rpc.com.br/gazetadopovo/blog/sobretudo/?id=809747

    Curtir

  2. fabs disse:

    Alou!

    Meu comentário não é exatamente sobre o post em si, mas sim sobre as tags referentes a ele. É preciso separa-las por virgulas, caso contrário elas ficarão aninhadas em uma única grande frase isolada.

    No mais, parabéns a todxs pela perseverança na mobilidade sustentável em nossa cidade.

    Abração!

    Curtir

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s